Grande Show no Rio de Janeiro será Palco para Alertar sobre Mudanças Climáticas

25 de dezembro de 2013 Nathany Sem categoria

PETIÇÃO POR UMA POLÍTICA NACIONAL DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS!

Nós, assinantes desta petição, solicitamos do governo brasileiro a elaboração e execução de uma Política Nacional de Mudanças Climáticas, que articule, em todos os níveis do Estado brasileiro, a incorporação de medidas e estratégias para prevenir ou minimizar causas associadas à emissão de gases de efeito estufa, e para lidar com os impactos do aquecimento global. Enfatizamos que tal política deve atender o disposto na Convenção Quadro das Nações Unidas para a Mudança do Clima, da qual o Brasil é signatário, de forma a contribuir com o esforço global de redução das emissões de gases de efeito estufa, respeitando os princípios da sustentabilidade socioambiental para o desenvolvimento nacional.

Ressaltamos que, no Brasil, o desmatamento é a principal fonte de emissões de gases de efeito estufa e que há uma tendência do uso crescente de combustíveis fósseis como carvão, gás e petróleo. Portanto, a Política Nacional de Mudanças Climáticas deve contemplar:

  • Compromissos com a redução imediata do desmatamento na Amazônia, no Cerrado e nos demais biomas brasileiros, para reduzir a emissão de gases de efeito estufa.
  • Investimentos efetivos em energias renováveis não convencionais, como solar, eólica e biomassa, promovendo um sistema descentralizado de geração de energia, ao invés do contínuo estímulo a termelétricas movidas a combustíveis fósseis.
  • Priorização da eficiência energética em produtos, processos e construção civil em detrimento à energia nuclear: Não à Angra-3!
  • A repotenciação das atuais usinas hidrelétricas, ao invés da construção de novas hidrelétricas como as do Rio Madeira, Belo Monte e do Vale do Ribeira.
  • Investimentos em sistemas de transporte coletivo público, eficiente e accessível, ao invés da promoção do uso do carro particular.
  • Incentivos ao uso de transporte alternativo como a bicicleta e controle de emissões veiculares.
  • Campanhas permanentes de educação e formação para a sustentabilidade, bem como investimentos em pesquisa.
  • Democratização dos espaços de tomada de decisão política, especialmente do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).
  • Adoção de medidas de adaptação, com especial atenção às comunidades afetadas pelas mudanças climáticas e populações vulneráveis em situação de risco.

Acreditamos na mudança: Governos e sociedade juntos podem encontrar soluções para a crise climática.

Para assinar, enviar email para: secretaria@fboms.org.br
—————-
VEJA AS SOLUÇÕES PARA A CRISE CLIMÁTICA – SOS: RESPONDA AO CHAMADO.
Aqui você poderá encontrar dicas para contribuir a mitigar as mudanças climáticas: Em casa, no trabalho, fazendo compras, no setor de transporte, e na sua comunidade.
Veja o documento em: http://www.liveearth.org/docs2/Solutions_BR.pdf

Comunicado de imprensa

Grande show no Rio de Janeiro será palco para alertar sobre mudanças climáticas

Brasília, 27 de junho de 2007 – Alertar sobre as causas e impactos do aquecimento global, e propor soluções que cada cidadão e cidadã possa adotar no seu dia-dia, são os objetivos principais do evento Live Earth que ocorrerá no dia 7 de julho, em 9 cidades do mundo (Nova Iorque, Londres, Sydney, Tókio, Xangai, Johanesburgo, Hamburgo, Istambul e Rio de Janeiro) durante 24 horas. Os shows vão reunir mais de 100 artistas e mais de 2 bilhões de pessoas. No Brasil o show será na praia de Copacabana, onde o acesso para um público estimado em 1 milhão de pessoas será livre. Os artistas que confirmaram presença no show são Pharrell Williams, Lenny Kravitz, Macy Gray, Xuxa, o Rappa, Marcelo D2, Jorge Ben Jor, Jota Quest, Vanessa da Matta e Mv Bill.

O Live Earth foi fundado por Kevin Wall produtor de música que organizou o Live 8 em 2005, um megashow com o objetivo de combater a pobreza. Para o Live Earth, Wall formou uma parceira com Al Gore, ex-Vice Presidente dos Estados Unidos e Presidente da Aliança para a Proteção Climática (Alliance for Climate Protection), para assegurar que o show inspire mudanças comportamentais de indivíduos, empresas e governos para reduzir as mudanças climáticas. O Live Earth será o início de uma campanha que se estenderá por vários anos e que é dirigido pela Aliança do Clima, o Grupo do Clima (The Climate Group) e outras organizações internacionais para combater a crise de aquecimento global.

No Brasil, o evento é apoiado pela Prefeitura do Rio de Janeiro e o Banco Itaú. O Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS), Amigos da Terra – Amazônia Brasileira, o WWF Brasil, a Rede Brasileira Agroflorestal (REBRAF) e o Programa das Nações Unidas pelo Desenvolvimento (PNUD) são parceiros nacionais do evento.

Uma pesquisa da CNT/Sensus divulgada na terça-feira, dia 26, mostra que 3/4 dos brasileiros já se preocupam com a mudança do clima, com o show no Rio de Janeiro este número deverá crescer ainda mais. Segundo Temístocles Marcelos, Secretario-Executivo do FBOMS “O Live Earth é uma ótima oportunidade para aumentar a consciência entre a população brasileira sobre as causas do aquecimento global, e para divulgar como cada um de nós, más também as empresas e os governos, possam contribuir para resolver a crise”. Para Roberto Smeraldi, Diretor Geral da ONG Amigos da Terra – Amazônia Brasileira “a conscientização de massa dessa iniciativa deve acabar com a época do ‘vamos fazer o possível’, iniciando aquela do ‘vamos fazer o necessário’”.

Entre as ações do Live Earth é a divulgação de várias dicas simples que cada indivíduo possa usar no seu dia-dia para contribuir a diminuir os gases de efeito estufa e enfrentar a crise climática. Para reduzir o uso de energia, as dicas orientam, por exemplo, a usar lâmpadas fluorescentes, usar chuveiros solares, e desligar equipamentos eletrodomésticos e de trabalho quando não estão sendo usados. Na hora de fazer compras, as dicas recomendam, entre outras, reutilizar sacos de plástica para reduzir o uso de petróleo, e consumir mais vegetais, cereais e frutas, já que a indústria da carne contribui para o desmatamento na Amazônia, sendo responsável por 70% das emissões de gases de efeito estufa no Brasil. No setor de transporte, as recomendações estimulam aumentar o uso do transporte público e coletivo. As dicas também orientam a todos os cidadãos e cidadãs a se tornarem mais ativos na preservação do meio ambiente dentro de sua comunidade e exigir ações destinadas a sustentabilidade ambiental de seus governantes.

Os parceiros brasileiros estão contribuindo para a organização do Live Earth Rio, tanto na adaptação das dicas ao contexto brasileiro e na divulgação do evento, como no esforço de tornar o evento o mais verde possível. O show vai usar energia proveniente de geradores de biodiesel, e todo o lixo será reciclado. Conforme Rubens Born, coordenador do GT Clima do FBOMS “o FBOMS pretende, ainda, aproveitar a oportunidade e visibilidade do show no Rio para ressaltar a urgência do Governo brasileiro finalmente adotar uma verdadeira política nacional de mudanças climáticas”.

Contatos:

Temístocles Marcelos – Secretário-Executivo do FBOMS. temistocles@cut.org.br e coordenacao@fboms.org.br – 061 3033.5535
Rubens Born – Coordenador do GT Clima/FBOMS. rborn@vitaecivilis.org.br – 011 4686.1814
Roberto Smeraldi – Diretor Geral Amigos da Terra – Amazônia Brasileira. smeraldi@amazonia.org.br – 011 3887.9369
www.fboms.org.br
www.amigosdaterra.org.br
www.liveearth.org

Comments are currently closed.


Powered by http://wordpress.org/ and http://www.hqpremiumthemes.com/